Em formação

Estimo: guia para o exame escrito

Estimo: guia para o exame escrito

Pequeno guia para a prova escrita de Estimo

1. Prefácio A prova escrita do Estimop apresenta algumas características que o diferenciam e, de certa forma, são mais complexas do que as de outras disciplinas profissionais incluídas no curso para especialistas.
Por meio da resolução ministerial, o candidato deve ser capaz de demonstrar:

  • um profundo conhecimento de assuntos profissionais, não apenas do Estimus;
  • capacidade de analisar economicamente a realidade;
  • a capacidade de escolher o procedimento de resolução mais correto e mais aderente;
  • saber usar as fontes de informação mais corretas dentre as disponíveis;
  • a capacidade de elaborar um relatório técnico;
  • saber motivar e justificar as escolhas técnico-econômicas feitas.

2. Pré-requisitos necessários Além de um bom conhecimento de matemática financeira e variações de estimativas, são necessários pré-requisitos que dizem respeito a vários assuntos filidisciplinares, estritamente interconectados.

  • Agronomia
  • Criação animal
  • Economia
  • Certo
  • Topografia
  • Edifícios

3. Fontes Para demonstrar que você conhece a realidade econômica em que opera, é necessário usar dados confiáveis ​​e, tanto quanto possível, relevantes para a realidade do momento, consultando fontes válidas e atualizadas.
A busca por estatísticas e dados de mercado relativos a produções, quantidades, horas de trabalho, preços, portanto, assume uma importância significativa e influenciadora na resolução exata das estimativas estimadas.O aluno deve adquirir a capacidade de pesquisar e usar os dados disponíveis, talvez constituindo um pequena coleta de dados pessoais.
Objetivo dos materiais didáticos:

  • exercícios: forneça um esquema de solução de problemas;
  • manuais: forneça valores de referência nos quais se basear;
  • manuais: forneça elementos e dados liberados pela maioria dos fatores técnicos e econômicos que mudam com o tempo.

Existem várias e múltiplas fontes às quais podemos nos referir:

  • manuais técnico-profissionais, manuais e publicações do ISTAT no que diz respeito às estatísticas, produção unitária média, requisitos de meios técnicos e mão-de-obra;
  • revistas e jornais mais ou menos especializados que fornecem periodicamente os valores de mercado de bens e produtos, nacional e localmente, com frequência principalmente semanal;
  • instituições e órgãos públicos, que fornecem dados estatísticos e de mercado (publicações dos vários departamentos provinciais e regionais; boletins e publicações das Câmaras de Comércio relacionadas aos diversos setores produtivos; pesquisas realizadas periodicamente por institutos especializados como CENSIS, ISTAT, etc.);
  • organizações profissionais dos diversos setores produtivos, que fornecem dados a preços e custos (sacolas imobiliárias, etc.).

A capacidade de justificar qualquer escolha feita, seja de valores de procedimentos, é um elemento importante para a avaliação final do teste do exame.

4. Laudo de avaliação A descrição do objeto da avaliação, construção rústica ou civil, permite enquadrar o imóvel em todos os pontos de vista técnico e econômico: daí a importância do relacionamento na execução de uma estimativa. Na prática profissional, antes de expressar o julgamento de estima através do procedimento escolhido, é necessário documentar-se minuciosamente não apenas nas características do ativo, mas também no mercado e na área.
Portanto, a relação distima assume um valor duplo: para o especialista, constitui a base sobre a qual desenvolver e demonstrar as etapas pelas quais alcança determinados resultados e, ao mesmo tempo, permite quem não realiza a estimativa (comprador, vendedor, notário, juiz, perito, professor, etc.). .) ter os elementos para avaliar a correção do mesmo e usá-lo para a finalidade mais apropriada.
Destas considerações deriva a importância de que um relatório de avaliação correto assuma também na realização da prova escrita de Estimo, sendo um elemento essencial na avaliação dos conhecimentos e habilidades do candidato.
Normalmente, o texto das questões ministeriais não fornece todos os elementos úteis para a elaboração do relatório, pelo contrário, às vezes, não fornece nenhum, deixando o candidato a hipótese de uma situação real.
Portanto, a possibilidade de dispor de fontes de dados adequadas e a capacidade de escolher e utilizar as mais adequadas tornam-se elementos fundamentais para a resolução de questões de estimativa.
Em particular no que diz respeito a um fundo rústico, todos os dados que permitem a identificação exata e as condições intrínsecas e extrínsecas do próprio fundo devem ser relatados no relatório.
Os dados a serem relatados podem ser resumidos da seguinte forma:

  • localização (localização, comunicações rodoviárias com centros residenciais e comerciais, fronteiras);
  • dados cadastrais (mapa e folha de mapas, lote, superfície, qualidade e classe das várias culturas, R.D. e R.A.);
  • propriedade (generalidade do proprietário, servidões ativas e passivas);
  • características pedológicas, morfológicas e microclimáticas;
  • plano e localização dos vários lotes da empresa;
  • disponibilidade de água, taxas de irrigação e possível associação de consórcios;
  • arranjo de terra;
  • viabilidade interpoderal;
  • endereço de produção, status qualitativo e quantitativo de plantas, edifícios e máquinas rurais;
  • ordem de cultivo e consistência das fazendas;
  • relação entre negócios, propriedade e trabalho;
  • distribuição da superfície da empresa;
  • todas as indústrias que processam os produtos da empresa e qualquer consistência dos estoques.

O relatório de estimativa, sendo o primeiro passo para lidar e resolver uma questão de estimativa, deve, portanto, ser o mais correto, detalhado e completo possível.

5. Organização do curso É essencial proceder de acordo com um esquema lógico e não mergulhar imediatamente na resolução, para evitar também fazer cálculos desnecessários e escolhas erradas. O primeiro passo é, portanto, prestar muita atenção ao texto do ministério e entender o que é realmente necessário. Com base na pergunta da estimativa, você terá que escolher o procedimento mais apropriado, se ainda não estiver indicado explicitamente no texto; Como conseqüência dessa opção, todos os elementos e dados que serão utilizados na solução do problema deverão ser pesquisados ​​e coletados.
Neste ponto, é possível resumir e esquematizar a organização do trabalho através de diferentes fases:

  • análise de texto, identificação do objetivo da estimativa e compreensão do texto;
  • escolha do procedimento mais apropriado (sintético ou analítico);
  • identificação de dados estatísticos e de mercado a serem pesquisados;
  • possível conexão com outras disciplinas técnico-profissionais e elementos de conhecimento necessários;
  • plano de desenvolvimento do tema, articulado em todas as suas fases progressivas, com busca dos dados selecionados no momento certo;
  • elaboração do relatório, de acordo com os critérios já estabelecidos no parágrafo anterior;
  • conduta e resolução.

Essa organização do trabalho pode ser considerada válida diante de qualquer tópico e é importante que o aluno adquira essa metodologia, que além disso poderá explorar também na atividade profissional a seguir.
Portanto, é útil perder tempo no início do trabalho, porque um cenário correto e lógico oferece vantagens diferentes e evidentes no desenvolvimento subsequente do tema:

  • permite uma visão geral do problema;
  • evite fazer etapas e cálculos desnecessários;
  • impede que você esqueça algumas partes do processo (dados, relatório, justificativas para escolhas técnico-econômicas, etc.);
  • permite um desenrolamento linear;
  • permite uma verificação final mais fácil e a correção de quaisquer erros.

Todos esses fatores também têm peso na avaliação final que será feita pela comissão examinadora.

COMO O ENSAIO ESCRITO DO EXAME É ENFRENTADO

Muitas vezes, no texto do tema ministerial, o procedimento de estimativa a ser adotado (sintético ou analítico, com o portão fechado ou portão aberto) ou a referência legislativa a ser seguida para a execução do orçamento (por exemplo, nas expropriações para utilidade pública) já são indicados, mais ou menos explicitamente. , na determinação da indenização por danos ou servidões, etc.).
Esquema de resolução
O esquema de resolução de uma questão ministerial deve estar em conformidade com a organização do trabalho descrito anteriormente.

Texto recomendado: B. Frei Guia para a prova oral ESTIMO Escola Arnoldo Mondadori


Vídeo: Tireóide: para que medir o TSH? QI? Fibromialgia? (Outubro 2021).